TODOS

Vida na cana

“Trabalho com cana fazem 24 anos já, isso mais de metade da minha vida. Nesse longo caminhar eu já fiz de tudo: adubação,  preparação do solo, corte e tudo mais que você pode imaginar. Sabe, as coisas melhoraram muito com a chegada da tecnologia e dos equipamentos. Antes era o dia inteiro embaixo do sol, ...continue lendo

Jongo na Itália

“Ingrid D’Esposito, 26 anos. Cheguei no Brasil há 3 meses, mas sou de Nápoles, na Itália. Estou aqui desenvolvendo um projeto de pesquisa, minha dissertação em antropologia, na Unicamp. Meu projeto é focado na comunidade Jongo Dito Ribeiro, na revitalização do jongo, em particular no contexto urbano, como Campinas. Um dia eu descobri o jongo ...continue lendo

Vida diferente

“Meu nome é Clesia, 46 anos muito bem vividos e iniciados na fantástica Alagoas, no sertão de Alagoas. Vim pra São Paulo em 91, morei lá por 10 anos e desde 2000 moro em São Vicente. Vim pra trabalhar mesmo, a cidade que eu morava lá é muito pobre, não tinha recursos nenhum, então vim ...continue lendo

Rua sem família

“Meu nome é Luciano Andrade Teixeira, tenho 37 anos, nasci no Estado de São Paulo mas muito pequeno fui pra Salvador e voltei pra São Paulo com 18 anos. Devido a ser uma pessoa criada na praia, naquele ritmo de Salvador, tinha poucos amigos quando eu cheguei aqui em São Paulo. Aqui era mais uma ...continue lendo

Hip hop digital

“Meu nome é Gabriel, tenho 20 anos, sou do Movimento Hip-Hop, faço rap, sou do grupo Dilema. ‘Tô’ no movimento desde 2009, comecei no freestyle e em 2011 eu formei o Dilema, a gente vende CD de mão em mão e assim já foram mais de 3 mil CDs vendidos. A gente trabalha também nessa ...continue lendo

Ocupação família

“Sou Telma Aparecida de Proença, 31 anos, orgulhosamente mãe de 3 filhos. No momento estou sozinha porquê meu marido está detido e assim vem parar aqui no Soma desde o ano passado, cheguei em Novembro. Eu estava morando na área da linha do trem até que chegou um ofício pra gente sair de lá, então ...continue lendo

Minha Araçatuba

“Meu nome é Leonardo Matheus Balsalubre Barbosa Sales, tenho 21 anos, sou nascido aqui mesmo, eu sou estudante de jornalismo, ‘tô’ no último ano e sou uma pessoa que sou amante de Araçatuba. Agradeço a Deus por ter nascido aqui, é um sentimento de paixão pela cidade que eu moro, é uma coisa muito legal ...continue lendo

Tartarugas do Tamar

“Meu nome é Bruno Amir eu tenho 38 anos e sou gestor do centro de visitantes do Projeto Tamar em Ubatuba. Mas minha história começa em Belém do Pará, onde nasci, e passa por Belo Horizonte, onde estudei e vivi boa parte da minha vida. Conheci o projeto Tamar Ubatuba através de um curso de ...continue lendo

Empoderamento Negro

“A história da nossa comunidade é uma história de resistência, de luta e de empoderamento da mulher negra. É notório quando as mulheres passam por esse espaço, aliás, todos que passam pelo jongo, de certa medida passam por uma transformação, mas é muito mais notório quando se trata da mulher negra, que chega aqui de ...continue lendo

Povo da rua

“Meu nome é Wilson, tenho 39 anos. Então, eu ‘tô’ atrás do serviço já faz tempo, minha área é ajudante de cozinha, fui conversar com o Padre Luís e arrumei um serviço, mas a empresa não me pegou porquê eu sou gay, né? Você acredita que eles falaram u que “não pega esse tipo de ...continue lendo

Povo da Roça

“O pessoal da cidade precisa aprender a respeitar mais o povo da roça, sabe. O povo da roça é mais sofrido: é sol quente, chuva, poeira e vários outros obstáculos que não podem fazer com que a gente não trabalhe. Não tem greve aqui, não tem muita escolha. Temos que trabalhar e ponto final.”

Viver sonhos

“Meu nome é Nara Ousana Nogueira, tenho 44 anos nasci em Guaíra, eu vim pra Ribeirão criança, eu tinha 8 anos de idade. Antes porém morei em Brasília e de Brasília eu vim pra cá criança. Me sinto ribeirão pretana, foi aqui que me casei, foi aqui que tive meu filho, hoje com 20 anos ...continue lendo

Gostar de cor

“Pintura, artesanato, desenho. Essas coisas eu gosto. Gosto de cor.”

Anos de lavoura

“São 22 anos que trabalho com cana. Uma vida toda na lavoura.”

Ser milagre

“Eu ganhei uma homenagem da minha equipe por ter sido eleita a funcionária do mês, nunca na minha vida me senti tão bem tratada, lá no trabalho me chamam de vó, e eu adoro todos. Dentro da empresa em que trabalho sou respeitada, me sinto muito feliz e realizada por ter conquistado meu primeiro trabalho ...continue lendo

Trabalho normal

“Muita gente assusta, mas esse pra mim é um trabalho normal. Hoje é muito mais seguro do que no passado. Claro, fisicamente é desgastante, mas assim como muitos outros trabalhos. As pessoas acham que é um trabalho escravo, que estamos aqui por desespero. Mas não é nem um nem outro. É um trabalho digno, e ...continue lendo

Desafios da rua

“Meu sobrenome é Felipe, meu nome é José Felipe, tenho 24 anos, moro em São Paulo, ‘tô’ na rua, moro na rua desde os meus 9 anos de idade, porém é o seguinte, não gosto de ficar na rua, mas eu gosto. O que eu não gosto da rua é a maneira que eu vivo, ...continue lendo

Jongo e Casa

“Eu cheguei aqui através de um amigo meu, que também faz parte aqui da casa de cultura. Primeiro eu fui pro Urucungos, que é outra cultura popular, aí ele me perguntou se eu gostaria de conhecer o jongo, a Fazenda Roseira. Foi quando ele me trouxe aqui pra visitar e no primeiro dia que eu ...continue lendo

Dois mundos

“Me chamo Antônio Donizetti Arantes Julio, tenho 23 anos, moro aqui nessa fazenda faz 15 anos e trabalho faz 7 anos. Já viu né? Morando aqui é natural que você acabe trabalhando por aqui também, junto da sua família. Eu hoje faço de tudo um pouco, às vezes trator, às vezes jardim, cada dia a ...continue lendo

Depressão de Sampa

“Eu sou a Anna Luiza, tenho 20 anos e eu vim pra Prudente porquê minha mãe ‘tava’ com depressão em São Paulo devido a morte do meu avô, do meu bisavô e do meu primo. Foi um baque enorme pra ela e então a gente acabou vindo pra cá, tendo parentes aqui eu acabei me ...continue lendo

Minha cidade

“Sou nascido dia doze de fevereiro de mil novecentos e cinquenta e um. Isso foi a 66 anos ! Nasci e cresci aqui na minha amanda Araçatuba. Minha terra é essa. Nasci aqui, me criei aqui e já viajei com muita boiada aqui. Tenho um orgulho enorme aqui da minha terra. Acho que o motivo ...continue lendo

Gosto da vida

“Sou José Carlos Pereira, gosto de duas coisas teatro e jogar bola. Gosto quando as pessoas batem palma no espetáculo do teatro. Gosto das risadas do futebol.”

Aprender no trabalho

“Meu nome é Rodrigo, tenho 22 anos, eu trabalho aqui faz 1 ano e meio, mas comecei a trabalhar eu tinha 17 anos. Não tive opção. Eu gosto de fazer isso: eu planto, eu colho, e aqui a gente prepara o alface pra ir pro mercado. Vim pra cá pela necessidade mesmo, eu ‘tava’ procurando ...continue lendo

Cultura Popular

“No ano 2000 eu comecei a conhecer a questão da cultura popular. Essa caminhada de uns dezessete anos pela cultura tem sido muito boa. Conheci muitas coisas, fui pra muitos lugares. Ainda mais porque eu permeio no meio da cultura, quando dos Urucungos, quando da Capoeira, quando do Jongo. Eu não sou assim, de uma cultura. A ...continue lendo

A molecada

“José Alexandre Mendes, tenho 50 anos, devo parecer ter uns 80 mas é só 50. Frequento a casa aqui há muitos anos, já fui católico, já cantei em coral de igreja e recentemente sou um aposentado. Pra mim vir aqui é uma terapia em grupo, uma satisfação poder ver a juventude, a molecada, eu me ...continue lendo

Multiprofissional

“Meu nome é Márcio José Calsari dos Santos, sou cirurgião dentista, especialista em odonto pediatria, com mestrado e doutorado na área, com extensão também a pessoas com deficiência. sou profissional do centro de assistência odontológica a pessoas com deficiência há 20 anos concursado, cheguei como estagiário, fiquei 1 ano também como voluntário antes do concurso. meu trabalho aqui começou ...continue lendo

Equipe Teatro

“Sou Jeferson Fernandes Menino, 26 anos. Sou aqui de Pradópolis e vivo aqui em Ribeirão desde que eu estudava teatro. A gente se formou e abriu uma Companhia de estátua viva, eu, o Marcos, a Carol e a Ana e a gente apresenta aqui no calçadão, a gente gosta de fazer coletivamente porquê a gente faz algumas ...continue lendo

Hip Hop

“Eu me chamo Mariana Shoen Vitor Lacava, tenho 21 anos, sou poeta, MC e trabalho com articulação cultural e emancipação de pessoas através dos processos de escrita e poesia e rap nacional. Eu atuei com a Casa do Hip Hop durante um tempo, aprendi muita coisa, trabalhei com alguns coletivos, trabalhei com um coletivo de Guarulhos chamado Coletivo ...continue lendo

Fazenda da família

“Meu nome é Fernanda Mouro César dos Reis, eu tenho 35 anos, sou filha do dono da fazenda de cana, meu pai chama Fernando dos Reis Filho. Tudo começou com o bisavô do meu pai, já somos 4ª geração,  trabalhamos juntos, somos em 3 irmãos. Eu fiz administração de empresa, montei um escritório pra cuidar só da parte administrativa da ...continue lendo

Abandono na Rua

“José de Souza Santos, 59 anos. A minha história, eu fui abandonado pelos meus pais, aqui antigamente era creche, nunca mais vieram me buscar em São Paulo. Dormi duas noites aqui e depois fui pro Belenzinho, depois me transferiram lá pra Sorocaba, cresci lá, não conheço nem pai nem mãe, fiquei em Sorocaba até os 18 anos, depois fiquei no albergue lá, ...continue lendo