Portfolio

Você está aqui:
TODOS
Minha mãe 21jan

Minha mãe

“Eu sou a Luciana, gosto muito de pintar, gosto muito de fazer poema. Eu não gosto muito de comer porquê eu tenho medo de engordar, e se eu engordar vou dar trabalho pra minha mãe.”

Servir Valinhos 19jan

Servir Valinhos

“Meu nome é Marcos de Freitas da Silva, tenho 39 anos, acabei de fazer. dia 1º de agosto eu fiz 17 anos de guarda. Entrei na corporaçãoo quando eu tinha 21 anos. Eu era agricultor, eu sempre trabalhei na roça, sempre tive uma vida muito difícil, trabalhei na roça no Estado do Paraná com café
...continue lendo

A APAE 17jan

A APAE

“Sou Deise Kratza e venho aqui na APAE desde bebezinha ! Gosto muito daqui, gosto das atividades propostas, gosto principalmente do teatro. Gosto de enfrentar a o público, não tenho medo ou vergonha porque faço isso desde que tenho 10 anos. Acho que ele também ajudou a não ser tímida com nada, eu falo é
...continue lendo

Fusca Amarelo 17jan

Fusca Amarelo

“Memória afetiva, o fusca na minha vida está ligado a diversos momentos: descobertas, viagem, aprender a dirigir, namoro, família, filhos etc. Tenho a grata satisfação de ainda poder dirigir um, ainda mais o “Pigmeu Amarelo”, da minha mãe, um senhor de 44 anos, com o qual celebro a vida e as emoções que a permeiam.
...continue lendo

Rua Sete 15jan

Rua Sete

“Eu nasci em 1962 e tenho muitas lembranças da Rua Sete de Setembro, principalmente dos carnavais, desfilei desde os 10 anos de idade na Águias da Avenida. Já com o futebol, joguei só no Rigesa, onde ganhei vários campeonatos, jogava de centroavante e tinha muita rivalidade aqui na cidade. Infelizmente Valinhos preservou pouco sua história
...continue lendo

Pedreira de Valinhos 06jan

Pedreira de Valinhos

“Meu nome é Jonathas Fernandes da Silva conhecido também como John, Jonas, Negão ou Star. Nasci em Niterói RJ mas me considero valinhense, pois desde os 3 anos resido em Valinhos, escolhi a pedreira como meu lugar pois como vegano minha maior conexão é com a natureza. Este lugar me traz o silêncio e a
...continue lendo

Família Skate 05jan

Família Skate

“Artur Bernardes Damo, 39 anos de idade, filósofo de formação, skatista desde 1985, naturalizado valinhense e morador da proximidade central da cidade. Meu local predileto para a prática do esporte de coração, é o Half-pipe que se encontra no Parque Municipal Mon Senhor Bruno Nardini, também participo como colaborador no projeto Skate Constrói, que acontece
...continue lendo

De bem com a vida 03dez

De bem com a vida

“A vida é cheia de escolhas, né? Eu acho que a melhor escolha é estar de bem com a vida. Estar mais de olho nas coisas boas do que nas dificuldades, estar mais interessado no que aprendeu no que deixou de fazer. Afinal, essa vida é só uma!”

Gostar da APAE 02dez

Gostar da APAE

“Michele, eu tenho 21 anos. Eu gosto muito de vir na APAE, gosto dos amigos. Eu gosto da educação física, das atividades em sala de aula, das aulas de música, de dança.”

Ser negra 01dez

Ser negra

“Gostaria de falar sobre ser mulher negra inserida aqui na sociedade de Bauru. Eu vejo que quando você anda pela cidade, principalmente na Batista, você é tratado diferente, eles te olham torto, tem uns grupos que querem te oprimir, fazer de tudo pra te diminuir. Mas a gente também faz muitos grupos, parcerias com outras
...continue lendo

Dar o máximo 30nov

Dar o máximo

“João Bosco Agostinho Lopes, 53 anos. 16 anos na Asten. Cheguei aqui por um acaso, vi um anúncio no jornal, liguei aqui, fiz a entrevista, tudo bem no padrão. Não tinha experiência nas coisas que fábrica faz, mas conversei direitinho com o gerente e ele me deu essa oportunidade. Entrei como líder da produção, hoje
...continue lendo

Arte de rua 29nov

Arte de rua

“Meu nome é Fabinho Barreiro, tenho 33 anos, já canto há 20 anos na rua. Ser artista de rua é difícil, muito difícil ! O preconceito é muito, a gente vive com a palavra ‘não’. ‘Não’ pode isso, ‘não’ pode aquilo, por isso tem tanto marginal perdido por aí, se as autoridades e os políticos
...continue lendo

Saudade do filho 28nov

Saudade do filho

“Meu nome é Osvaldo da Silva, sou pedreiro, carpinteiro, caldeireiro. Tenho 54 anos bem vividos, bem aproveitados graças a Deus. Mas, olha, nos últimos tempos eu passei por um fato muito triste, eu que criei meus filhos da melhor maneira possível, eduquei, ensinei a profissão, criei dentro da igreja evangélica e por fim um se
...continue lendo

Meus gostos 26nov

Meus gostos

“Eu sou a Luciana, gosto muito de pintar, gosto muito de fazer poema. Eu não gosto muito de comer porquê eu tenho medo de engordar, e se eu engordar vou dar trabalho pra minha mãe.”

Feliz e saudável 25nov

Feliz e saudável

“Um sonho? Acho que ser feliz e ter saúde já está de bom tamanho.”

Vida no assentamento 23nov

Vida no assentamento

“Meu nome é Yhara Ferreira dos Santos, tenho 23 anos. Vivi muitos anos em Campinas, até que meus pais resolveram vir pro acampamento, a gente ficou nas barraquinhas por um tempo até que chegou aqui no processo de assentamento. Foi um período bem difícil, eu tinha 9 anos quando vim pra cá. A gente sempre
...continue lendo

Saudades da família 21nov

Saudades da família

“Jéssica, tenho 24 anos, morava em Alagoas e vim pra cá pra Santos tem 3 anos. Eu ‘tô’ gostando, tem as praias, tem mais pessoas, tem o shopping. Mas não tem a família, né. Sinto falta da família.”

Os meus filhos 19nov

Os meus filhos

“Jéssica Caroline Ferreira, 22 anos, meu filho tem 8 meses… primeiro filho. ‘Tô’ no seguro desemprego, como meu filho é pequeno, fica difícil pra trabalhar, eu tentei fazer acordo no meu serviço e ele não quis mudar, aí resolveu me mandar embora. Eu sou a mais velha dos irmãos, então geralmente quem trabalhava em casa
...continue lendo

Pessoas da rua 18nov

Pessoas da rua

“Meu nome é João Paulo Ramos da Silva, tenho 21 anos e moro na Estação. O que é difícil pra mim na rua é a discriminação, você chega perto das pessoas pra pedir um lanche e elas acham que você vai roubar. Te jugam sem saber, te jugam sem te conhecer. O que é bom
...continue lendo

Escolhas da vida 17nov

Escolhas da vida

“Marcos Donizete Rodrigues, nasci em 1971. Antes de chegar aqui eu mexia com lanche, aí o que eu tinha era uma clientela bem boa. Ai do cachorro-quente a gente passou pra outro tipo de lanche, levou um certo tempo, eu trabalhava registrado e saí pra trabalhar por conta. O lanche mudou nossa vida, com ele
...continue lendo