Garrafa vazia

Você está aqui:
TODOS
  • Garrafa vazia
  • Garrafa vazia



Garrafa vazia

‘Já tive mais saudade da minha terra. Logo que sai eu tinha dificuldade de imaginar com seria minha vida longe dali, da minha família e do lugar que eu nasci. Mas sabe, foi passando o tempo, fui acumulando experiências, conhecendo novas pessoas e acabei me adaptando a todos os lugares que eu passei. Acabei gostando e sentido falta de todos até que, depois, cai na rua e fiquei muitos anos. Na verdade estou nela até hoje, essa igreja aqui foi o Padre que me aceitou pra passar uns dias ! 

A rua é ruim, de todos os lugares que já morei é o único que não dá pra se adaptar e acho que se um dia conseguir sair não vou sentir nenhum falta. Sabe porque ? Porque os lugares não contam nada, lugares são igual garrafas vazias. O que conta na garrafa é o liquido que tem dentro, assim como o que conta nos lugares são as pessoas que vivem nele. Hoje entendo isso ! Entendo que não sinto falta da minha terra, sinto falta da família e dos amigos. E assim é por todas cidades que passei. E assim é na rua. Lugar de passagem , no qual a maioria das pessoas te trata como um animal e aquelas poucas que você se relaciona acabam se perdendo com tempo. A rua é uma garrafa sempre vazia, ai te pergunto: quem gosta de garrafa vazia ?

Tags: Adulto, Em pé, Homem, Individual, Meio Corpo, Rua, São Paulo, Sudeste, Tomás Cajueiro, trabalhador, Valinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Informações

Cidade
Valinhos –SP
Data
Julho 2016
Fotógrafo
Tomás Cajueiro
Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *