Tartarugas do Tamar

Você está aqui:
TODOS
Tartarugas do Tamar



Tartarugas do Tamar

“Meu nome é Bruno Amir eu tenho 38 anos e sou gestor do centro de visitantes do Projeto Tamar em Ubatuba. Mas minha história começa em Belém do Pará, onde nasci, e passa por Belo Horizonte, onde estudei e vivi boa parte da minha vida. Conheci o projeto Tamar Ubatuba através de um curso de biologia marinha, vim da faculdade pra cá e quando eu vi isso aqui eu soube que trabalhar aqui era meu sonho, e tentei durante o período acadêmico diversas vezes fazer um estágio aqui mas sempre fui recusado por causa do número de pessoas que pedem estágio aqui. Aí depois que eu me formei, tentei mais uma vez e pra minha sorte eu fui selecionado! Naquela época eu trabalhava em Belo Horizonte com informática educacional e já ‘tava’ há um tempo na empresa e eu larguei tudo e vim fazer estágio. Foi o que eu queria, e estágio não é garantia nenhuma também, então eu acho que dei um pouco de sorte de ‘tá’ no lugar certo na hora certa e mostrar o meu trabalho também, né?

Apesar de biólogo, minha formação pouco tem haver com tartarugas. Ainda mais em Belo Horizonte, né? Mas a prática acaba te fazendo. O profissional é feito pela prática, então a gente até diz pros estagiários que não importa o curso que ele faz ou qual a universidade, o que importa e o desempenho dele. Tem muita gente que sabe mais de tartaruga que outros biólogos e nem é da área. Então fui me aproximando das tartarugas e depois do Atol das Rocas quando eu voltei eu não sabia o que fazer. Pensei em pedir mais estágios no Projeto Tamar até dar certo. Aí quando eu pisei em terra, me avisaram que o Projeto de Ubatuba estava atrás de mim e foi quando surgiu a oportunidade de ser um Trainee. Comecei como biólogo de campo, fazendo biometria, depois comecei a ser coordenador do programa de estágio e aí a demanda foi só crescendo.

Gosto daqui, vejo que cada pessoa aqui do Tamar é um pedaço da engrenagem dessa máquina toda em prol das tartarugas. Cada um tem um papel fundamental pra que isso funcione, mas o foco é a tartaruga marinha, elas que são os nossos chefes. Sabe, você poder trabalhar vendo esses animais todos os dias. Trabalhar com pessoas, é uma coisa que eu gosto, lidar com as pessoas. A gente poder vir trabalhar de camiseta, de bermuda, de chinelo, né? Gostos de ‘tá’ em contato com a praia com o pescador.”

Tags: Adulto, Em pé, Homem, Individual, Meio Corpo, PROAC, São Paulo, Sudeste, Tomás Cajueiro, Ubatuba

Informações

Cidade
Ubatuba – SP
Data
Março 2017
Fotógrafo
Tomás Cajueiro
Compartilhe com seus amigos!