Comerciante

Você está aqui:
TODOS
Viver em Paraisópolis 14jul

Viver em Paraisópolis

“Sou Antônio Cavalcante de Melo, aqui em Paraisópolis sou o ‘Toninho Moveis’, tenho 61 anos e sou do Recife. Cheguei em São Paulo em 1973 com 16 anos, vim sozinho. Eu ‘tava’ trabalhando em Alagoas, aí de Alagoas eu vim pra cá. Sempre trabalhei com móveis quando eu cheguei em São Paulo com esse trabalho
...continue lendo

Nova cidade 03jul

Nova cidade

“Meu nome é Aran, tenho 38 anos. Não sou aqui de Bauru,  vim pra cá nos anos 90. Gosto de viver aqui, mas procuro criar coisas que criem um ambiente mais meu aqui nessa cidade. Assim fiz a Extinção em 2003 pra melhorar um pouco o ambiente que eu vivo, um modo compartilhável de trabalhar,
...continue lendo

Folia do passado 14jun

Folia do passado

“A passagem do Divino pela minha casa me toca profundamente. Me toca porque minha família é caiçara, meus pais, meus avós, meus bisavós, todos de Ubatuba, e isso vem de raiz. Então eu cresci recebendo na minha casa. Minha mãe sempre recebeu, pra tomar um café, pra abençoar a casa, então é uma cultura que
...continue lendo

Tô na cozinha 08jun

Tô na cozinha

“Meu nome é José Egídio Borges, nascido em 1948, amanhã aniversariante… já vou chegar na casa dos 70, graças a Deus sou muito feliz e ‘tô’ na guerra, ‘tô’ trabalhando ainda, e agora eu sou do bairro Vila Soma em Sumaré. Eu morava no Rio de Janeiro, e minha família já ‘tá’ toda criada, minha
...continue lendo

Só Deus 06jun

Só Deus

“Eu tento fazer o melhor pra eles mas aqui é difícil, muita droga, muita matança. Aqui pra poder criar alguém é muito difícil, ainda mais sozinha, é eu e Deus.”

Sensação de alívio 05jun

Sensação de alívio

“Meu nome é Nilvania Pereira Oliveira, tenho 32 anos e moro atualmente aqui na Vila Soma. Eu cheguei aqui através de necessidade, uma amiga minha que já morava aqui me indicou. Eu morava em Campinas antes, eu sou baiana, tinha 2 anos que eu ‘tava’ em Campinas e como o aluguel subiu de preço a
...continue lendo

Sonhos de criança 02jun

Sonhos de criança

“Tenho uma história muita legal pra contar! A vida inteira, desde criança, eu sempre brinquei com as minhas amigas. Mas elas iam em casa e diziam ‘vamos brincar de boneca’. Eu respondia, ‘quero brincar de loja’! Aí o tempo foi passando, passando, me formei em publicidade, fiz MBA em gestão empresarial, segui a carreira do
...continue lendo

Minha mãe é maior 03mai

Minha mãe é maior

“Dos vários orgulhos que tenho na vida, acho que minha mãe é o maior!”

Roupa de Índio 02mai

Roupa de Índio

“Tem gente que reclama quando vê Índio usando roupa, óculos e outras tecnologias. Na verdade antigamente os índios guarani já não eram pelados né? Usavam tanguinha, só que hoje em dia a gente puxou de fora também esse tipo de calça, de camisa. Só que não é problema, a gente tem a nossa cultura no
...continue lendo

Ideias Malucas 21abr

Ideias Malucas

“Sou Valinhense, nascido e criado aqui… tenho orgulho disso e a cidade acolhe minhas ideias “malucas” há quase 10 anos! Estamos sempre fazendo diferente do tradicional e nossos clientes estão sempre do nosso lado nos defendendo até como irmãos!!! Não saio dessa cidade por nada”

Sorvete Americano 25mar

Sorvete Americano

“Sou Nascido em Valinhos numa família de 5 irmãos. Sou o terceiro filho de Carlos Zanluchi e Santa Migoto Zanluchi. Cresci no famoso bairro Castelo, de onde sai somente quando me casei e lá deixei tantas boas lembranças. Aos seis anos tive meu primeiro emprego, como montador de caixas de figo. Já aos 11 passei
...continue lendo

Minha Valinhos 23mar

Minha Valinhos

“Sou Claudinei Anselmi natural desta linda cidade Valinhos. Sou de família tradicional daqui desta cidade onde meus tios foram donos do famoso bar da Fonte Onde. Se reuniam ali pessoas ilustres da cidade e região. Hoje trabalho no comércio de Valinhos e sou muito conhecido na cidade.”

Coisas mudam 04jul

Coisas mudam

‘ Sabe meu filho as coisas aqui mudaram foi demais da conta. Tem essa praça aí mesmo, quando eu era moço era tudo de chão e tinha uma feira. O pessoal vinha desse sertão todo pra vender as coisas e nóis, que tinha uns 10 pra 12 anos, vinha pra roubar os jegues do povo
...continue lendo

Reinventar na crise 27jun

Reinventar na crise

‘Quando a crise apertou mesmo e me mandaram embora eu só tinha duas opções: ou ficar em casa reclamando, colocando a culpa nos politico, no patrão ou em qualquer um que fosse ou então, como fiz, arregaçar as mangas e ir trabalhar ! Peguei me carro, passei no açougue e peguei uns pedaço de carne.
...continue lendo

Irmãs arretadas 17jun

Irmãs arretadas

‘Somo irmãs e muito amigas,muito amigas mesmo ! Só não deu muito certo ser sócia, você não imagina os quebra paus que deram quando tentamos trabalhar juntas. Decidimos que era melhor cada uma trabalhar e no seu lugar, assim a nossa amizade e respeito continua.’

Vida de interior 06jun

Vida de interior

‘Vim da cidade pra cá e não troco esse interior por nada. Em várias coisas a vida é bem mais fácil aqui no interior. O povo que mora na cidade acha que não , que só lá tem facilidades, mas é porque nunca vieram aqui pro interior. Pra começar que é muito mais barato, a
...continue lendo

Cabra corno 01jun

Cabra corno

‘O que é que tem demais essa coisa de ser corno ! Eu não entendo, acho é que a vida até fica mais fácil pro cabra que a mulher tem mais homem! Assim divide as conta e tudo mais. O duro é como saber se você é ou não é corno, porque tem mulher que
...continue lendo

Vida em paz 27mai

Vida em paz

‘Prefiro não fazer mal pra ninguém, vivo minha vida aqui em paz. Sabe como é né, quem tem a consciência tranquila deixa as coisas pra trás rápido e já toca pra frente, vive em paz. Mas e quem errou ? Quando erra é complicado, a paz nunca mais volta igual.’

Vida do interior 12mai

Vida do interior

‘Vim da capital aqui pro interior porque não aguentava mais o ritimo de vida da cidade. Sempre correr, sempre com pressa. Não aguentei isso ai pra mim não. Mudei pra cá pro interior atrás de uma vida mais humana, mais calma. O que mais gosto daqui é o sossego, aliás acho que cada vez mais
...continue lendo

06mai

Hora da fotografia

‘Ei, rapaz!!! Se você quiser me fotografar, a hora é essa!!!’